Ensino híbrido nas escolas

Os tempos de troca são tempos híbridos. Períodos históricos onde convivem práticas e, muito mais do que elas, convivem paradigmas.


Esse tempo nosso agora é da maior hibridez para o mundo escolar que eu lembre. Nunca estivemos mais escondidos e mais desafiados por tendências que muitas vezes até são opostas.


É bom nos manter híbridos um tempo, para pensar, provar, testar, mas não deveríamos nos perpetuar nas hibridezes. Chegara a hora da tomada de posição.


Que tensões nos atravessam? Quantas são? Quais são elas? Como não nos manter passivos perante a elas?


Não é um cenário simples e nem amigável, mas nem por isso deixa de ser um cenário apaixonante (o corretor do computador me troca a palavra por “apavorante”, puxa).


Vamos tentar nos movimentar com coragem e com leveza por tudo isso?


Alguma coisa boa tem que sair das nossas trocas e de nossa inteligência coletiva!


É dever ético nosso, dos educadores protagonistas do sistema educativo, enfrentar ativamente nosso futuro. Ao final de contas, ele será - também - o que a gente seja capaz de fazê-lo ser.



0 comentário

Inscreva-se agora mesmo!

Receba conteúdos como este  diretamente no seu e-mail!

Obrigado pelo envio!